Mimulus

O Mimulus é uma planta perene que pode atingir os 30 centímetros de altura, tem folhas dentadas, redondas e lisas, e numerosas nervuras. Floresce entre o início e final do Verão, apresentando umas atractivas flores amarelas.

Quando o medo se instala nas nossas vidas

As pessoas com ímpetos de Mimulus negativo, costumam ser tímidas e nervosas e refugiam-se em si mesmas ao invés de se relacionarem com os demais. Têm medos muito concretos, como por exemplo, medo de subir por uma escada rolante, a morrer de cancro, aos animais, a ficar sem trabalho, etc. São medos tangíveis que a vida trás consigo; são medos aos quais se podem “por nome”. Por si mesmos nunca falariam deles, quiçá porque no seu interior pensem que os demais poderiam considerar os seus temores como algo absurdo e infantil. Por isso, no lugar de enfrentá-los, escondem os seus medos. A lista dos medos Mimulus poderia continuar até ao infinito.

Às vezes, as pessoas em estado Mimulus negativo declaram que a existência neste mundo lhes pesa como uma carga sobre os ombros, e que amiúde sentem a vontade de desaparecer dela. As crianças agarram-se aterrorizadas às suas mães, por exemplo em concentrações numerosas de pessoas, em escadas escuras, na presença de cães, etc.

Os sintomas físicos

Os caracteres do tipo Mimulus são, no geral, ansiosos, extremamente sensíveis e sobretudo, assustadiços. A sua elevada sensibilidade física faz que muitos corem com facilidade, gaguejem ou falem com voz baixa para outras pessoas. Outros falam demasiado devido ao seu nervosismo, emitem um riso nervoso ou têm constantemente as mãos húmidas.

Muitas pessoas do tipo Mimulus adoecem quando estão sujeitas a uma pressão excessiva. Atacam-lhes então as “suas dores de cabeça”, “problemas vesiculares” ou problemas similares. Na sua desmedida precaução, os pacientes Mimulus tendem a prolongar os seus cuidados e deste modo a atrasar o processo de cura.

Fazer do medo nosso aliado

Com a ingestão de Mimulus, estimula-se as reservas interiores de força e coragem, ocultas sob um manto superficial de angústia e preocupação; desta forma, as pessoas podem enfrentar as suas dúvidas e temores habituais, aprender com eles e enfrentá-los. É possível aprender a reconhecer que o medo é, em primeiro lugar, um problema mental que se pode resolver com meios mentais e assim aprender a dominá-lo melhor.

Sobre a planta, pertencente ao grupo do medo e que está relacionada com as qualidades anímicas da valentia e da confiança, o Dr. Bach escreveu: “Para pessoas que sentem medo do mundo, da doença, da dor, dos acidentes, da pobreza, da escuridão, de estar só, da desgraça. Os temores de todos os dias. Pessoas que levam os seus medos em silêncio e em segredo, sem falar disso livremente com os outros.”

 

Carmen Morales 

By | 2017-03-30T19:22:05+00:00 Março 30th, 2017|Artigos, Artigos Recomendados, Florais de Bach|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment